terça-feira, 4 de julho de 2017

Valeu por tudo, CPF! O Adeus de Mr. Hankey


Eu comecei a pensar este texto há mais de um ano, quando já passava a ser possuído pelos sentimentos de saudades e nostalgia que o final da graduação proporciona a quase todo mundo. Levei um tempo maior do que gostaria para entrar no curso que tanto sonhava, e, quando finalmente consegui, naquele já distante 12 de janeiro, a sensação foi incomparável, assim como o volume de lágrimas de felicidade.

Comecei em Jornalismo e imediatamente conheci pessoas que estou levando no peito pela eternidade. Juntos compartilhando risadas, histórias, problemas, lanches, obstáculos diversos... e é então que preciso destacar um ponto alto e específico da graduação: os veteranos caíram como chuva em cima de nós, inocentes calouros, para nos contar sobre as Copas Paulo Francis e Patrícia Poeta de Futebol. "Como assim? A gente vai jogar bola???", estampou-se o questionamento em minha mente. Mal imaginava que era muito mais que isso.

Torneio anual, a copa é uma força agregadora dos indivíduos e dos conjuntos do curso. Jogo para quem é de jogo, festa para quem é de festa, confraternização para todos. Para quem vê de fora, deve até parecer estranho exaltar uma mera pelada de universitários, mas, para quem está por dentro, a atmosfera é realmente de Copa do Mundo. Passar um ano esperando para aquela reunião, os jogos sob sol e chuva, as dores de cabeça para encontrar um campo society disponível, criar sigla, escudo e uniforme, se exercitar para entrar em forma e não fazer feio (HAHAHA... ha...).

Minha turma concebeu, através de um incrível risível insight de Felipe, a sigla PCF. Os veteranos, como forma de trote, nos impuseram a cor marrom-cocô. Fechamos a cara por causa da palhaçada, mas resolvemos depois encarar com bom humor. Adotamos, como mascote, Mr. Hankey - sim, o cocô natalino da série animada South Park - e, no escudo, o colocamos lendo um jornal (acho que foi uma arte compartilhada entre Penélope e Jorge, não recordo agora). Afinal, o que é um peido, né...
Primeiro ano, primeiro sábado e partimos rumo à Praça do Derby, ponto de encontro entre nós e também com os veteranos para irmos ao campo do antigo clube de sargentos e subtenentes, no bairro da Torre. Mágico. Clima puramente mágico. Camisas de diferentes cores, gritaria, algazarra, sorrisos e futebol. Entramos em campo contra o já quase aposentado RYU. Inexperientes, ainda assim conseguimos fazer um jogo parelho, conquistamos um empate sem gols e consegui sair da partida como destaque e candidato a revelação do campeonato, relembrando sonhos passados. As partidas seguintes mostraram que nos faltava muita coisa, mas estávamos muito felizes, contagiados pelo ambiente. Deixamos de ser calouros e viramos veteranos no ano seguinte. Jogamos tão bem na base da superação que chegamos à final contra o RUN. Apesar de prejudicados pela arbitragem (abraço, professor Afonso...) e pela decepção por causa do vice, ficamos com a certeza de que éramos capazes. Outro banho de água fria um ano depois, fazendo uma campanha de apenas terceiro lugar. Ano seguinte, mais uma final, mais um vice e, ao meu ver, a última edição emocionante pra valer. Já tava cansativo jogar muito e não ganhar o título. As duas derradeiras temporadas foram sofríveis, velhos e fora de forma que estávamos. Mas tudo bem. Já nosso time feminino caminhava (e atropelava) pela contramão. Da quebra do tabu "calouro não ganha a Copa" a se tornar o melhor time da história da CPP, elas só perderam um único jogo em todos esses anos, justamente na final de 2013. Lendárias, craques, quase imbatíveis, elas criaram o divisor Antes do PCF/Depois do PCF no torneio. Fica o orgulho e a representação, mas elas ainda têm muito a falar por si próprias. Acabou no último dia 17 a participação do time marrom. Um saldo pessoal de dois prêmios de melhor goleiro e um gol marcado na última edição (FINALMENTEEE), um saldo conjunto de 5 títulos e 1 vice na CPP, dois vices e dois terceiros lugares na CPF. Passamos agora para a seção "Aposentadoria" do blog da Copa. Sempre que sentirmos saudades, acessaremos o endereço. E aí, nostalgia, sorriso no canto da boca, lembranças desaguando. Os melhores anos deste ciclo da minha vida se encerraram, mas os frutos ficam para sempre. Felipe, Mateus, Maurício, Jorge, Cássio, Caio, Henrique, DGO, as meninas, o pessoal dos outros times: imenso prazer jogar, comemorar e beber (e até brigar) com vocês todos. Aquele abraço.

*Fecha a cortina marrom*



Mike "The Wall" Torres, 
goleiro do PCF e um eterno apaixonado pela Copa.


domingo, 18 de junho de 2017

Premiação CPF e CPP 2017



I'll walk you up, what time's the bus come?



Ouro CPF: MBP
Prata CPF: BJU
Bronze CPF: PCF

Ouro CPP: PCF
Prata CPP: THC
Bronze CPP: IML

Craque CPF: Wagner (MBP)
Craque CPP: Camüller (THC)

Artilheiro: Henrique (MBP)
Artilheira: Camüller (THC)

Revelação CPF: Raí (THC)
Revelação CPP: Júlia (THC)

Goleiro CPF: Sibito (MBP)
Goleira CPP: Sofia (IML)

Corcel Indomável CPF: Douglas (BJU)
Corcel Indomável CPP: Carol (PCF)

Melhor Pior Gol: Jorge (PCF)
Artilharia Pesada: Wagner (MBP)
Esponja Etílica: Bianca (PCC)
Troféu Meu Deus do Céu Que Galera Chata Do Caralho: IML

sábado, 17 de junho de 2017

Palpites e Expectativas - Copa Paulo Francis - Final


“Eu já falei com Deus que não vou te deixar
Vou te levar pra onde for
Qualquer lugar
Já fiz de tudo pra não te perder”

Repetindo a final do ano passado, MBP e BJU vem ambos em busca do bicampeonato. A disputa ainda é apimentada por disputas extracampo entre as duas maiores figuras presidenciais da nova CPF. Após provocações mútuas no grupo de Whatsapp da copa ninguém aguenta mais porra o capítulo final dessa disputa será escrito hoje, na Jockey Arena.

Ou talvez não. Porque todo o curso de Jornalismo já percebeu que flops e mimimis de bar à parte, o que existe entre MBP e BJU é na verdade um grande amor. É como se um não existisse sem o outro e estivessem fadados e se enfrentar eternamente em um loop, como Yin x Yang, Ahura Mazda e Angra Mainyu, Sol e Lua, Yue e Kerberus... vocês entenderam onde eu quero chegar. Azul e preto se juntam em mais um jogo que promete muitas provações mas, acima de tudo, carinho e amor.

I can't take my mind off you
Mas... era pra falar de futebol, né? Nesse aspecto, temos duas equipes bem preparadas. Após afastar de vez as suspeitas da asamoahdependência, os homens de preto esperam sair da fila e contam com nomes como GG, Ziani e Mário Jr. para alcançar o bi. Já o MBP está invicto desde o ano passado e quer conquistar um bicampeonato em anos seguidos, conseguido pela última vez em 2005. A disputa também é pela artilharia e pelos prêmios de craque e melhor goleiro. Quem sairá vencedor?

Palpite: Bicampeonato

Palpites e Expectativas - Copa Paulo Francis - Disputa de Terceiro Lugar



“We've come too far to give up who we are
So let's raise the bar and our cups to the stars”

Foi um longo caminho de 2012 até aqui, mas chegou a hora do PCF se despedir. Infelizmente, para os marrons, o título não veio, mas eles prometem fazer bonito em sua última partida e levar pra casa mais um bronze. Mas, acima de tudo, essa é uma oportunidade de se ver e jogar junto pela última vez, comemorando os choros e alegrias da vida universitária e todo o crescimento que vem com essas experiências. Ferro, Caio, Mateus, Mike, Maurício, Cássio, Danilo, Felipe e Jorge celebram a amizade em campo e na festa, prometendo se divertir.

Alguém poderá dizer que a preferência imagética e musical desse post reflete
 um certo tipo de clubismo, porém quem deu o apelido ao menino foi o próprio Mmmmaurício

Do outro lado, o IML. Ainda com o gosto amargo de ter ficado fora da final, mas com a chance de conquistar sua primeira medalha, a equipe de Borges promete jogar bonito e, mais importante ainda, com calma. A lição que os coveiros aprenderam esse ano é que se estressar não vale à pena e o importante é mesmo a brodagem (não aquela pré-2013, mas entre o time mesmo). Em clima de dança, de carimbar a despedida do PCF, de alegria e de festa.

Mas ainda assim, esperem um jogão!

Palpite: Lose Yourself To Dance

Palpites e Expectativas - Copa Patrícia Poeta - Disputa de Terceiro Lugar


Uma música pra lá de motivacional. Reflitam...

Venha pelo motivo que for 
Assuma o papel que quiser 
Na turma que te incentivará
A escrever aquele: AAAAAAAAAAAAA!
Na nota de rodapé.  

Vejo danças, jingles, faixas, álcool, confraternização e fu-te-bol. Futebol, aquele mesmo, aquele que se usa com os pés. Parece que já se passaram um milhão de Primaveras desde que IML e PCC se conhecem e se rivalizam. Sinceramente, consigo imaginar daqui a umas décadas claramente as meninas mais secas que um maracujá dizendo umas as outras: “aquele amarelo sem graça...” “aquele verde escarrado...”. Uma rivalidade permeada pelo fair-play, que fique claro. A decisão 3º lugar do ano passado foi marcante, decidida milimetricamente nos pênaltis. No jogo desse ano um 0x0 recheado de polêmicas e chances para ambos os lados deixam praticamente às cegas o escritor que escreve e as centenas de apostadores do curso. 

Não fique frustado(a) por isso, em minha defesa digo: as defesas dos dois times tem destaques oficializados e de baixo risco na bolsa de valores para você investidor(a). Sofia, super valorizada nessa temporada e com méritos, já vale mais que a Vale do Rio Doce inteira. Alice despontou como promessa e ingressou na categoria revelação. Manu virou sócia dos empreendimentos Dubeux. Joysex já é pré-candidata para as eleições a prefeita de Camaragibe e Sataníris ocupa o cargo de diretora do Submundo, intimidando até o temível Hades. Elas, responsáveis pelo 0x0 inicial, talvez não queiram que o placar se repita dessa vez.   

PEEEEEEEEENAAAALTIS !!!

As jogadoras de ambas os times aproveitaram a temporada para valorizar seus passes

Para os/as que pretendem ter um ataque, uma olhar sobre os ataques: A tríade do PCC tem tudo para entrar na partida louca para apagar qualquer aresta de incerteza, dispostas as mostrar a CPP que não somente vieram para beber e jogar bola, como também dar uma aula de geometria euclidiana. A triangulação é uma de suas perigosas armas, deixando de lado o mito que erroneamente diz que o triângulo é um instrumento para amadores que adentram no forró. “O triângulo é o fígado da banda”, disse uma das três. O IML, contudo, vem com sua dupla da 14º geração dos xororó: Lunath. No áudio interceptado ouve-se: “traremos a grama do cerrado para jogar aqui, preparem-se”. Não satisfeitas em espalhar o ritmo pelo interior país, aspiram disseminar o som da conquista pelo solo úmido ‘pocotiano’ pela primeira vez.

E aí pessoal, nesse São João vai dar forró ou vai dar sertanejo?

Palpite: Música boa e taquicardia.

Palpites e Expectativas - Copa Patrícia Poeta - Final


(Dê play enquanto lê o post)


“Here we are, don't turn away now
We are the warriors that build this town”

A equipe a marcar mais gols no ano de estreia. A maior campeã da história da CPF e da CPP.  A maior artilheira em uma única edição da CPF e CPP. Três troféus de artilharia. Uma equipe quase impossível de ser parada. Uma equipe quase impossível de ser batida. Calouras. Veteranas.

A desafiante.
A desafiada.

Nem a CCXP foi tão épica...

PCF e THC fazem hoje seu segundo e último jogo pela Copa Patrícia Poeta, disputando a taça de 2017. A equipe marrom dispensa apresentações. Os números são realmente impressionantes: em 34 partidas na CPP, apenas uma derrota. Tetracampeãs com justiça, chega a hora da aposentadoria do escrete que, durante muitos anos, encantou e criou desafetos, seja no Military Club Stadium, na Arena Setubal of Confrontation ou na Jockey Arena Paladium Pocotó. Lolla, Marcela, Carol e cia chegam ao seu último jogo com a chance de conquistar o penta e encerrar a carreira com uma última felicidade. Mas o trono que foi ocupado pelo PCF desde 2012 ameaça ter nova dona nos próximos anos, graças a um verdadeiro fenômeno canábico.

Sim, porque o THC também é impressionante. Independente do resultado do jogo de hoje, é fácil afirmar que as calouras ainda levantarão muitas taças durante os próximos anos da CPP. Capitaneadas por Camüller que, com 24 gols, só perde a artilharia por uma distorção do espaço-tempo, as ervas-daninhas querem começar desde agora sua carreira de campeãs. E qual a melhor maneira de assumir o trono se não derrotar a atual rainha em seu jogo de despedida? A preparação foi intensa. Giovana foi atrás de todos os vencedores do prêmio de Artilharia Pesada™ para pegar dicas de como agarrar mais do que nunca. Agnes passou a semana na Índia meditando ao som de Across The Universe e Within You Without You. Samantha deixou até as mil crushes de lado e promete não dar liberdade pra ninguém durante o jogo. Júlia, tranquila após apresentar o seminário de Cultura da Mídia, promete dar todas as asssistências que forem necessárias. E Camila... bom, isso vocês verão logo mais.

Palpite: Menina...

Seleção da Rodada | 5ª Rodada | Copa Paulo Francis 2017


O lado sombrio prevaleceu na seleção da última rodada. Pretos e cinzas monopolizaram as escolhas com o menino Jeffrey entrando de intruso. Por outro lado só de menção honrosa quase deu pra fazer outro time.


Douglas (BJU)

O goleiro morsa demonstrou mais uma vez sua qualidade debaixo das traves. Teve um início de jogo pouco trabalhoso, mas com a crise de asma generalizada em seus companheiros, passou a catar quase tudo. Saídas arrojadas, belas defesas e visão de jogo nos lançamentos são características comprovadas a cada jogo. Mesmo tendo levado o gol de empate num belo chute de Heitor, o arqueiro negro foi um dos destaques do empate de 1x1 entre BJU e MBP e mereceu figurar mais uma vez na seleção da rodada.












Raí (THC)
O calouro tem nome de craque e um futebol condizente com tal. Mesmo correndo com o freio de mão puxado, o filho de Dória protegeu bem demais a bola, fez belos passes e comandou a primeira vitória do THC na CPF diante do IML, marcando dois gols. Entretanto, tá difícil saber se Raí é mais artilheiro dentro das quatro linhas ou fora dele, já que as paredes do CAC falam que o garoto tá mais disputado que o prêmio de esponja etílica desse ano. Mas voltando a falar de futebol, o cinzento tem fortes chances de ser a revelação da CPF, com o belo futebol apresentado e pode fazer valer a perspectiva de crescimento do THC em futuras copas. 








Jeffrey (PCC)
King Joffrey vinha virado no mói de coentro nas últimas rodadas. Brigando pela bola mais do que briga contra o sono às manhãs, fez demais por merecer estar aqui. Destaque do PCC na derrota para o PCF por 8x4, Jeffrey deixou sua marca e participou ativamente da partida, correndo todo o campo, mordendo, dando carrinho, deixando Cássio estrovenga no chinelo. Mas isso não significa que o verdinho foi violento. Longe disso. Mas apresentou a disposição de um corcel talvez dopado do redbull que o menino Tandy tem contrabandeado pro jockey. O iburense figura pela primeira vez na nossa seleção em 2017, com total merecimento.








Vinigol (THC)
O pequeno polegar do THC debuta pela primeira vez aqui. Em sua melhor atuação na CPF, atazanou a vida da defesa do IML durante a partida. Tabelas com Raí e o agregado sendo bem executadas, além de dois gols que mostram o faro de artilheiro que o baixinho tem. O garoto ficou tão feliz pela atuação, que deu valendo no álcool ao fim do jogo. Dançou em slow motion ao som de calcinha preta, cantou como se não houvesse amanhã, bebeu cerveja e abraçou os companheiros de time. Um desempenho em que o cinzento deve se inspirar a repetir nas próximas edições.








Mário Fontes (BJU)
E o funcionário mais dedicado da Folha de Pernambuco aparece aqui novamente. Fez o tento do BJU no empate ante o MBP e foi o destaque do time, ao lado de Douglas. O cérebro do time. Mário armou boas jogadas para os companheiros, os deixando na cara do gol. Porém, ele mesmo resolveu lá na frente, batendo rasteiro sem chances para Sibito e fazendo a alegria do presidente Marlon “tua pressão vai subir, carai” Diego. Agora, uma engenharia está sendo montada para que o atleta possa chegar a tempo na final para ajudar o seu time na busca pelo bicampeonato. Todo um esquema de trânsito foi montado em parceria com a cttu e policiais do bptran, e a expectativa é de que, dessa vez, Fontes chegue a tempo de se alongar. 




Menções Honrosas:

Rafael Sibito (MBP)












Heitor (MBP)













Henrique Ferro (PCF)

A hora do adeus de Lolla, autoproclamada a Rainha do Futebol


O meu cabelo já começa prateando, mas a sanfona ainda não desafinou. Hoje se encerra, na Copa Patrícia Poeta de Futebol, aquilo que os especialistas já chamam de Era PCF. Tetracampeonato, cinco anos de futebol, só uma derrota. 
Hoje, além do penta do carrossel peceéfiano, vou em busca de meu gol 1.000, segundo minhas contagens.

Independentemente do resultado, eu só quis dar ao alegria ao meu povo. Essa gente tão sofrida com essa política podre, essa economia em frangalhos, essa esquerda desarticulada e esse futebol careta. Lolla, da linhagem socrática de craques, nunca teve papas na língua e sempre se posicionou politicamente em campo. Eu entrei em campo com o símbolo do MST. Eu comemorei meus gols com o punho cerrado do Black Panther. Eu apoei as jornadas de junho. Eu fui contra o golpe. Eu grito Fora Temer. 

Eu quis trazer de volta a cadência, a ginga, o politicamente incorreto do futebol-arte brasileiro. O cigarro e a cachaça na beira do campo, o sexo na concentração, a provocação descarada, os dribles desnecessários na entrada da área adversária, os penteados, a catimba. Porque não é o resultado que importa, importa jogar com estilo. O futebol tinha ficado muito chato. 

Eu sou de Oxum, com Oxaguiã e Iansã. Lolla é minha Iansã, meu alter-ego favorito. Não mexa com ela não, que é raio, guerra, fúria, 4x4, atropela mesmo. Lolla foi criada para ser tudo aquilo que só se pode ser no futebol, porque a vida do lado de fora da Copa só precisa de mais e mais amor, porque os tempos estão difíceis. Acreditem no Brasil, acreditem na política, acreditem no jornalismo, acreditem nessa gente tão bonita, acreditem no diálogo, acreditem no amor. Sejam o amor e seremos Deus. 

Esclarecimentos históricos

O DPC sempre invejou o PCF. Invejou nossa técnica, nosso dendê, nossa alegria nas pernas. Foi por isso que algumas de suas integrantes, no ano de 2012, estreia peceefiana nas Copas, se apoveitaram de um momento de fragilidade meu na festa final, em que estava alcoolizada, e furtaram meu troféu de craque da CPP. No outro dia, consta no B.O feito na delegacia de Casa Amarela:
 "Às 14:32 hrs, Lolla postou no grupo de jornalismo da UFPE: ' Gente, se alguém achou que era craque da CPP e pegou meu trofeuzinho de craque por engano ontem, devolva, gostaria de guardá-lo <3 nbsp="" p="">

Foi o suficiente para que, descaradamente, algumas integrantes daquele time postassem, para que todos vissem, o famigerado vídeo em que quebravam um patrimônio que era meu e a da história.  A justiça dos homens é falha e fui muito julgada por repudiar tais atitudes. Não havia clima para disputar a copa que se seguiu e o futebol perdeu a arte de Lolla. Foi quando me ocorreu uma experiência transcendental (conto mais detalhes em minha biografia autorizada). Lolla caminhava pelo mercado de Casa Amarela quando foi parada por um sábio, um cego cantador de feira, que me disse: "dê alegria ao povo, são só quatro linhas e uma bola. Custa muito pouco". Eu voltei. Fui perseguida pelas colunas sociais da CPF. Pelos tablóides sensacionalistas. A cada pré-jogo, minha presença era questionada. Na internet, condenaram meu excessos. Meu quadradinho de oito. Meu sono sob uma mesa de sinuca. Mas são só quatro linhas e uma bola. Inspirei música do The Kinks, livro de Nabokov, filme Tom Tykwer. Ganhei mais três títulos.

Hoje, questionam novamente meu futebol e minha história. De fato, as articulações começam a reclamar, os músculos não são os de outrora. Mas a ginga ainda estará lá. Os dribles, a raça, a catimba, o politicamente incorreto. Porque não é o resultado que importa, o que importa é jogar com estilo, 


Marília e Lolla. 


Seleção da Rodada | 5º Copa Patrícia Poeta


Nossa última seleção não traz lá grandes novidades. O gol segue defendido por Sofia, e a dupla CaJu conseguiu o feito de se manter na seleção a temporada inteira. Ave Maria!




Sofia (IML)
O paredão do IML mostrou que é de longe a melhor goleira da Copa Patrícia Poeta. Camila e o seus chutes fuderosos esbarraram muitas vezes na amarelinha. Sofia também impediu muitos gols do MBP, quando jogou como agregada do BJU. Mais que merecido seu lugar na seleção da rodada. 














Dandara (PCC)
Uma verdadeira mulher maravilha. Desfalcadas de Luane I, coube a Dandara realizar as jogadas ofensivas do PCC com Welda e Ju Baile Tropical hoje, que levaram perigo ao gol das cocozeiras. A pcciana fez bons lances no jogo, balançou as redes, marcou as adversárias, ajudou como pôde, e como ela sempre diz, entrou em campo para se divertir. 













Marina (MBP)
Seja na linha ou no gol, no álcool ou no futebol, apitando ou jogando, Marina esbanja talento e simpatia, a bidu marcou os gols que deram a primeira vitória ao MBP na última rodada e ainda deu uma forcinha ao PCF contra as verdinhas. Mereceu seu lugar aqui.















Camila (THC) - unânime
Mais uma vez a alvirrubra está na seleção da rodada, na verdade, ela bate o ponto aqui desde a primeira rodada. No jogo contra o IML, ela fez o que sabe fazer de melhor, gols, dribles e uma dose de xingamentos. E apesar da marcação forte das coveiras, Camomila conseguiu jogar bem e garantiu a vitória e o lugar na final para o THC.













Julia  THC
Outra que entrou e não saiu mais da seleção, a dupla CaJu realmente parece imbatível, a cinzenta fez tudo nos conforme, passes, marcação, chutes. Trabalhou direitinho, com a mesma tranquilidade de sempre e mais uma vez não temos palavras para ela, ela joga muito, é isso.



quinta-feira, 15 de junho de 2017

Resenhas | 5ª Rodada | Copa Patrícia Poeta 2017


IML 1x4 THC
Julia usou a força Jedi para ajudar suas companheiras
A última rodada da CPP pode ter tido jogos mornos, mas também foi uma das rodadas mais incríveis em termos de fair play e disputa por bolas, tentativas de chutes pirotécnicos e muita oração para Deus ajudar na hora do placar. Foi assim que se deu o jogo do THC e IML, este último buscando uma vitória para conseguir manter-se vivo até o resultado do jogo seguinte, que poderia defini-lo na final da Copa Patrícia Poeta. Quem pensou que veria um THC preocupado diante de um Amarelo Maizena corajoso e mais ousado, errou feio. Camila, a capitã do time cinza, mais parece ter engolido um foguete turco e disparava na frente das adversárias, tabelando com a Khedira do THC, Julia. Um time bem equilibrado diante de um time desesperado por vitória. Talvez tenha sido esse o motivo do apagamento de Nath durante o jogo. 'Dibrando' tudo e todos, Luane conseguiu segurar uma boa parte do jogo e tentar balançar a rede adversária, acontecimento que só veio no segundo tempo. Depois de um quase gol de lateral, onde ninguém tocou na boca, o narrador não percebeu e gritou gol, sendo tomado por um silêncio sepulcral e uma imensa tristeza pós gafe em transmissão nacional. O jogo correu soltou, com a sequencia animalesca de bicudas giratórias da dupla Caju, que só passava em grosso, sem perdoar nem a mãe chorosa ao lado vendo a filha jogando no IML e perdendo feio. Porém, mesmo depois de um 4x1 pesado em cima das amarelinhas, reinou a alegria e a paz, rendendo até foto entre as atletas dos dois times. Vivemos momentos de tensão, de amor, de ódio, de Camila gritando com todos e Nath rindo e balançando a cabeça em negativa ao que estava lhe acontecendo. Assim encerrou-se mais um capítulo da CPP, e agora estamos diante de uma das finais mais empolgantes desses 10 anos de copa. Vamos todos torcer para que seja não só um jogo, mas também uma batalha tão incrível como Goku versus Freeza na destruição e Namekuzei.


PCF 3x3 PCC
O fotógrafo foi comer um espetinho
 de Seu Renato na hora do jogo

PCF e PCC já protagonizaram capítulos emblemáticos da história da CPP. O último confronto entre os times deu uma apaziguada nos ânimos. Toda a vibe desse jogo dependia do resultado do confronto anterior. A vitória do THC morgou o sonho do PCC de disputar sua primeira final e jogou pela terceira vez as rebeldes na disputa do terceiro lugar e novamente com as rivais coveiras. Falando do jogo. Bem, como o PCF já estava classificado para sua sexta final seguida e ainda estavam desfalcadas de Cintra e Carol Britto, o jogo virou um grande peladão. Gol lá, gol cá, agregada lá, agregada cá. Quem realizou o sonho de jogar com a camisa marrom foi a ex-presidenta chiliquenta corcel indomável Thais Lima, que ainda marcou um gol com a jaqueta cor de merda. Alice Duque, agregada do MBP, não quis saber da rivalidade de seu time adotivo com o PCF e a secura de jogar bila falou mais alto. No gol, a funcionária da Rede Golpista de Televisão até fazia ótimas defesas, mas levava gols logo em seguida. A situação colocou Alice na posição de goleira mais azarada da CPP. O clima amistoso permitiu que Luiza jogasse a bessa mesmo com o braço enfaixado. O lado verde não deu a mínima para a desclassificação e fez seu jogo na moral. Sem Luane, que se perdeu no caminho pro jóquei depois que seu óculos quebrou, a trindade rebelde virou um dupla: Welda e Dandara usaram da experiência e deram conta do recado. As equipes resolvem suas vidas no próximo sábado. O PCF se despede da CPP com a chance de aumentar seus recordes contra um THC cheio de fumaça nos pulmões. Já as rebeldes brigam pelo tri-bonze e pela primeira vitória contra o IML.   



MBP 2x0 BJU
Só dizendo que esse jogo é MBP x BJU
O último sábado foi repleto de decisões na Arena Pocotó. Um buruço na CPP, restava um vaga para final e três concorrentes (IML, THC, PCC). Mas o jogo que realmente chamou atenção estava longe da disputa pelo lugar na final. BJU e MBP entraram em campo para decidir o quinto lugar da Copa, e se na rodada anterior o MBP teve um time repleto de agregadas, na última rodada, visto a importância da partida, as comandadas de Marina trouxeram força máxima. Lara tô sem óculos, Becs sem chilique, Les Blusineas  e Alice Duque, a novata do MBP. Do lado preto, bom, a mesma situação de sempre, agregadas, Emilayne e Denise. O confronto não teve muitos gols, graças ao paredão Sofia, a melhor goleira da CPP, que defendeu como o Victor os chutes do MBP. Lances curiosos marcaram o jogo, como uma bela furada de Emy, ela também não se conteve e colocou a mão na bola algumas vezes durante a partida. Outro momento peculiar foi em uma disputa de bola que terminou com Lara perdendo os óculos. Marina marcou os dois gols das bidus e a vitória ao MBP que garantiu o 5° lugar, o BJU, com um saldo de -32, é só isso não tem mais jeito, acabou. Agora resta saber se as equipes ou só o MBP promete arrasar na festa como arrasaram ou foram arrasadas no futebol. 

quarta-feira, 14 de junho de 2017

EXTRA EXTRA, Temos um novo time na CPF!


TENGO LENGO TENGO LENGO TENGO  LENGO TENGO 

Entrando no clima festivo que esse mês de Junho nos proporciona, anunciamos  uma novidade  para o sábado (17) que vem lá das bandas do agreste, mais precisamente de Caruaru É A CAPITAL DO FORRÓ, É A CAPITAL DO FORRÓ, certeza que você pensa em São João e, provavelmente, também lembra dos momentos no Intercom Regional de 2016. Se o congresso é responsável por reunir toda turminha badalada do jornalismo, na Copa Paulo Francis e Patrícia Poeta  não é diferente, porque ninguém quer levar a vida tão só, e juntar mais um pouquinho de gente não seria nada mal.
Esse ano a Copa Paulo Francis ganhou uma nova equipe, vinda diretamente do Alto do Moura para a Arena Pocotó. 




Mas como assim? Pois bem fofinhos, a ideia de convidar o Curso de Comunicação do Agreste veio por meio de um cara da velha-guarda da CPF, integrante da primeira turma campeã (MSN), Eduardo Maia, considerado o primeiro craque da Copa. Eduardo, hoje é professor no Campus de Caruaru, guarda com orgulho o troféu de vencedor de 2003. “Pra mim foi marcante porque a Copa continuou, a gente achou que ia durar só um ano e dura até hoje. Quando eu voltei para morar aqui (Caruaru) e entrei na Federal (como professor) pensei em  criar um time do Agreste pra jogar a Paulo Francis, falei com o pessoal e eles permitiram”, disse o empolgado ancestral cpfiano. Os forrozeiros fazem um amistoso contra um mistão da CPF, a peleja está marcada para às 16h30.

O time de Caruaru vem com Mestre Vitalino, Luiz Gonzaga,
 Petrúcio Amorim e Santana, o cantador.

O primeiro passo para fundar o time foi a criação de uma pelada na quadra do Campus, participam dela alunos, professores, vigilantes, serventes. Após isso a equipe ganhou forma, nome e escudo. O CAA ainda é desconhecido, mas aparenta ser rochedo e deve chamar os agregados + outros  para dançar um forró. Preparem as canjicas, os milhos, as pamonhas, levem os rojões, acenda a fogueira no seu coração e vamos para o Arraiá que promete ser sábado.

Os rapazolas estão tão animados com o embate que fizeram até uma produção audiovisual. Clique aqui e veja (Para a sorte deles a copa não é de vôlei).

Lembrando que o clima muda após os jogos da rodada, porque teremos a festa final tropical com direito a vista e banho no mar para curar a ressaca.
Baile Tropical - Festa Final CPF e CPP

Resenhas | 5º Rodada | Copa Paulo Francis 2017


Final de primeira fase com o IML fazendo valer sua fama de levanta defunto, PCF ganhando oportunidade de fechar sua história na CPF de uma forma menos merda e uma prévia da final igualzinha a do ano passado. THC e PCC, muito obrigado e até ano que vem!

IML 4x5 THC
O fotógrafo chegou atrasado e só deu tempo de tirar essa foto
Na última rodada dos pontos corridos, IML e THC entraram em campo para cumprir tabela. Saiba que não houve desinteresse na partida por conta disso. Longe disso. Nos bastidores antes do jogo: homenagens ao jogador Maik ( Piranha24) que se encontra contundido, correria para chegar a tempo e uma pequena quermesse doceira. Antes do show futebolístico, Mano Brown chamou um dos integrantes dos racionais mc’s para agregar-se ao time. No campo o THC parecia de fato entusiasmado ouvindo cuidadosamente as sugestões da sua tranquila técnica: Srta. camomila. Largou no frente do placar e se manteve até o final. Marcava um, o IML empatava. Marcava outro e o IML ia lá. Raínaldinho foi fundamental, mesmo correndo a 3 km/h. Do lado amarelo, Borges, que fez dois gols na partida, ia ao ataque para tentar deixar o jogo vivo. Na marca equilibrada dos 2x2 o THC fez dois rápidos gols e terminou o primeiro tempo vencendo por 4x2. (14) = Dudu pharrell marcou uma vez, mas nas tentativas subsequentes o pé descalibrado por tanto sambar não ajudou. Do lado cinza, Vinigol, atormentado pelo nome gol no singular, deixou a zika para lá e finalmente pluralizou. Vinigols fez logo dois, com direito a um belo gol com sua perna esquerda. No segundo tempo o jogo ficou moído, mais lento que Operação Inverno da prefeitura. O IML atacava, nas tabelas Alemão/Borges, nos lançamentos/chutes de Menotti (aniversariante do dia, que, por sinal, fez o último gol), porém, parava na catimba do THC e na defesa de modo geral. O time calouro ainda teve chances de matar o jogo em alguns contra ataques. Na correria dos energéticos, Rostanzinho marcava com tinta consanguínea mini-Rostand, tornando o evento ainda mais histórico. No fim, não deu pro IML, 5x4 para o THC. O time amarelo, agora oficialmente o mais generoso da copa ou simplesmente levanta defunto, joga pensando na disputa do terceiro lugar. Já os calouros saem relativamente felizes por não terem ficado em último, por conseguirem os primeiros três pontos, e sim, por terem feito uma boa partida.



PCF 8x4 PCC
Quem é quem?
Vindo da maior goleada já sofrida, justamente contra seu maior rival, o questionado o PCF entrou em campo no último sábado com a pressão de uma despedida antecipada caso perdesse para o PCC. Para felicidade de DGO, o torcedor solitário, o vexame não aconteceu. O começo verde até enganou quando o placar chegou bater 2x2, mas as forças pccianas advindas de energias etílicas se esvaíram e o PCF finalmente tomou conta do jogo. No começo, Marcelinho defendia até pensamento, impedindo que os cocôs abrissem o placar. Mas depois de 345 chutes de Ferro, um tinha que entrar e aí ficou fácil de sair o resto. Quem voltou aos gramados da Arena Pocotó foi o cartunista Jorge, recuperado de uma lombalgia na língua, "Pô, a gente só perdeu de 11x1 semana passada porque eu não fui", lamentava o eterno repórter do LeiaJá, associando sua ausência à de Neymar no 7x1. O agora formado conseguiu não apenas fazer um gol, mas nos deu um forte candidato ao prêmio de Melhor Pior Gol, num lance que em que o desenhista saiu rolando junto com a bola até que ela estufasse as redes de Marcelinho. O PCC até deu uma enganada boa, até gol de lateral fez. Destaque também para o cineasta/agregado Pedro, que segundo a torcida "é a maior Paulinha do Brasil" e exibiu seus dotes como guarda-redes. Pena que o mesmo saiu com uma fratura no micro-osso do pé direito, entrando pra fila do DM que já está maior que a fila do RU esse ano. Em ritmo de treinamento brodagem, o PCC fez sua despedida de 2017 com muito dando close naquele pôr-do-sol lombroso da Arena, os rivais cocôs fizeram um jogo de recuperação e tem escrevem seu último capítulo na Copa Paulo Francis numa disputa não só pelo bronze mas por uma vingança da lapada que tomou do IML na primeira fase e para apaziguar essa temporada merda.



MBP 1x1 BJU
A parte física pesou para as ovelhas negras
Num jogo que seria o aperitivo da grande final, bidus e morsas empataram em 1x1. Porém, o jogo foi calmo até demais. Sem divididas violentas, pés no bucho e mão na cara, o clima de amizade prevaleceu. Jogadores admitindo a falta, que o lateral era do adversário. Tirando um ou outro sarrafo, nem parecia ser BJU x MBP. Com um toque de bola mais envolvente - enquanto a asma não atacava-, as ovelhas negras comandavam a partida, dando trabalho para Sibito, até abrirem o placar, com o funcionário mais dedicado da Folha de PE, Mário Jr. Um belo chute rasteiro, que deixou o malemolente goleiro bidu sem reação. Sem o viajado Mago e Heitor em recuperação, os azuis erravam passes que costumeiramente não erram. Eram pressionados na saída de bola e pecavam na coletividade. Entretanto, quando a crise de asma bateu e ninguém tinha uma bombinha, o BJU caiu bastante e deu brechas ao MBP, que passou a criar bastante. Douglas ia sendo cada vez mais exigido, desde o final do primeiro tempo. O jogo voltou a ficar aberto no segundo tempo. Ziani e Igor perderam boas chances, com os goleiros fora do lance. Quando a vitória parecia certa para os alvinegros, Heitor, que mesmo em recuperação de lesão no mocotó resolveu entrar nos minutos finais, acertou um belo chute cruzado na esquerda de Douglas, no último lance da partida, no apagar das luzes (de fato seu Renato já ameaçava apagar os refletores devido aos atrasos). Um empate com gosto de vitória para o MBP, que repetiu o placar do da final do ano passado. "De novo isso?", questionava o presidente agora mais calmo Marlon Diego. Agora, todas as tretas, brigas e tapas na caras estão guardados para o dia 17. Uma final cheia de emoções, em que este que vos escreve, já tirou o próprio da reta para não apitar essa partida. Promessa de jogão e de muito sangue no olho, como nós gostamos. Que Deus perdoe essas pessoas ruins que não amam a CPF.

terça-feira, 13 de junho de 2017

Artilharia | 5ª Rodada | Copa Patrícia Poeta 2017



Bom, faltando apenas o jogo final, Camüller já é a maior artilheira da CPP em uma única edição. Com mais com dez gols a mais que a vice, sua companheira Julia, e mais que o dobro que a Luane I PCC tem um crush com o terceiro lugar né?, Camila já seria artilheira mesmo se deixasse de jogar na terceira rodada. Será que está definido?


Quem para os voos dessa menina?


24 gols
Camüller (THC)

14 gols
Júlia (THC)

11 gols
Luane I (PCC)

9 gols
Luane II (IML)

8 gols
Marcela Cintra (PCF)
Nath SóNath (IML)

 6 gols
Dandara (PCC)

5 gols
Marina (MBP)

4 gols
Welda (PCC)

3 gols
Carol Brito (PCF)

2 gols
Lolla (PCF)
Emilayne (BJU)

1 gol
Dudão (PCF)
Ex-presidenta Thaís (PCF)
Lara (MBP)
Denise (BJU)
Ju Aguiar (PCC)
Manu (PCC)
Íris (IML)
Samantha White (THC)

Artilharia | 5ª Rodada | Copa Paulo Francis 2017



Faltando apenas a derradeira partida, Henrique Futebol se segura na ponta da artilharia. O azulzinho não deixou sua marca no último sábado, mas aproveitou que seu principal concorrente, Mário Bros Jr., fez apenas um. Um jogo e três gols de diferença, só uma tragédia tira o troféu do professor.


MBP se aproxima da primeira artilharia
não pesada de sua história


15 gols
Henrique (MBP)

12 gols
Mário Jr. (BJU)

9 gols
Wagner (MBP)
Raí (THC)

7 gols
Ferro (PCF)
Guilherme (BJU)
Dudu Nobre Pharrell (IML)

6 gols
Mago (MBP)
Borges (IML)

5 gols
Caio (PCF)
Marcelinho (PCC)
Jeffrey (PCC)

4 gols
GG (BJU)
Klisman (IML)
Lucas Goiano (PCC)

3 gols
Rostand (IML)
Igor (MBP)
Vinigol (THC)

2 gols
Jorge (PCF)
Felipe Cabral (PCF)
Cássio (PCF)
Heitor (MBP)
Milanovic (PCC)

1 gol
Mike (PCF)
Agregado (PCC)
Yago Menotti (IML)
Agregado (IML)
Vinicius Cavalcanti (THC)
Eduardo (THC)

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Fotos | 5ª Rodada | Copa Paulo Francis e Patrícia Poeta 2017


Clique na numeração da nova contratação do IML e tenha acesso aos registros da quinta rodada da copa mais querida do curso de Jornalismo da UFPE